China aumenta pressão militar e econômica sobre Taiwan em meio à visita de Pelosi

China aumenta pressão militar e econômica sobre Taiwan em meio à visita de Pelosi

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, desembarcou em Taipei, capital de Taiwan, na noite de terça-feira (2), (horário local) dando início a uma visita controversa que já havia tenso o relacionamento entre Pequim e Washington antes mesmo de começar.

A China passou semanas alertando Pelosi para não entrar no território disputado, que Pequim considera uma província da China, mas que se considera uma nação independente.

Esses avisos se transformaram em ações durante as horas que antecederam a chegada de Pelosi, que marcou a primeira vez em 25 anos que um presidente da Câmara Americana visitou Taiwan. A visita deve durar quase 24 horas.

Hua Chunying, ministro assistente das Relações Exteriores da China, disse em uma série de tuítes na terça-feira que a visita de Pelosi a Taiwan foi uma “grande provocação política”.

Nesta terça-feira, a China impôs novas proibições de importação de mais de 100 produtos taiwaneses, um aparente esforço para impor um custo econômico rápido a Taipei por seu papel na visita de alto nível de Pelosi.

Os militares chineses também flexionaram seus músculos realizando exercícios de tiro real durante todo o dia de sábado, a apenas 130 quilômetros de Taiwan.

Na terça-feira, quando a visita de Pelosi se aproximava, o Exército de Libertação Popular enviou caças para o Estreito de Taiwan que voavam muito perto da linha central do estreito, que raramente é atravessada.

Quando Pelosi desembarcou na noite de terça-feira, a mídia estatal chinesa anunciou que mais exercícios de tiro ao vivo seriam realizados no próximo fim de semana – principalmente, depois que Pelosi deixou a área.

Para os especialistas da China, esses exercícios militares e declarações públicas belicosas não surpreendem.

“Isso é apenas algo que eles precisam fazer”, disse Andrew Mertha, diretor do China Global Research Center da Johns Hopkins School of Advanced International Studies.

“Eu ficaria muito surpreso se Pequim fizesse algo fisicamente ameaçador de alguma forma significativa. Quer dizer, não está fora de questão, mas eu realmente ficaria surpreso”, disse ele em entrevista à CNBC.

“O que provavelmente acontecerá é algum tipo de ação subsequente para demonstrar que a China pode fazer algo se quiser”, disse Mertha. “E isso será algo tanto para o público doméstico na China quanto para o internacional.”

Ainda este ano, espera-se que o líder chinês Xi Jinping inicie um terceiro mandato sem precedentes como líder do Partido Comunista Chinês.

A necessidade de Xi consolidar o apoio público e o poder dentro de seu partido são as lentes pelas quais devemos olhar para as ações geopolíticas da China, dizem diplomatas e especialistas.

E é exatamente isso que torna a visita de Pelosi tão provocativa.

Depois de semanas se recusando a confirmar, negar ou discutir a visita a Taiwan, Pelosi publicou um artigo de opinião contundente no The Washington Post assim que desembarcou na terça-feira.

Taiwan, ela escreveu, “está sob ameaça” de Pequim, que ela pintou como um perigo existencial para pessoas livres em todos os lugares.

“Fazemos esta viagem em um momento em que o mundo enfrenta uma escolha entre autocracia e democracia”, disse ela. “Não podemos ficar parados enquanto o PCC continua a ameaçar Taiwan – e a própria democracia”.

“A visita de nossa delegação do Congresso deve ser vista como uma declaração inequívoca de que os Estados Unidos estão com Taiwan, nosso parceiro democrático, enquanto defende a si mesmo e sua liberdade”.

 Por Gazeta Brasil

CATEGORIAS
TAGS
Compartilhe Isso

COMENTÁRIOS

Wordpress (0)
Disqus (0 )